Supremo italiano autoriza morte de mulher em coma

  • by

©ABEL COELHO DE MORAIS

Solidariedade. Clínica oferece-se para tratar Eluana “sem pedir nada em troca”

Associação de deficientes interpõe recurso junto de Tribunal de Estrasburgo

[dropcap]O[/dropcap] Supremo Tribunal de Itália autorizou ontem os médicos a desligarem os sistemas de apoio à vida de Eluana Englaro, de 37 anos, em coma desde Janeiro de 1992 devido a um acidente automóvel.

A decisão do Supremo vem confirmar uma sentença do Tribunal de Relação de Milão, proferida em Julho, em que autorizava o pai de Eluana, Beppino Englaro, a pôr fim à vida da filha. Este classificou a decisão como prova da existência do “Estado de Direito” em Itália.

Uma associação de pessoas deficientes vai recorrer do acórdão do Supremo para o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, em Estrasburgo, enquanto a instituição religiosa onde Eluana é assistida desde 1993 se ofereceu para continuar a fazê-lo a título gratuito. A clínica Beato Luigi Talamoni, de Milão, divulgou um comunicado anunciando que as freiras que tratam Eluana se oferecem para continuar a acompanhá-la “sem pedir nada em troca”. “Se há quem a considere morta, que deixe Eluana connosco, que a sentimos viva”.

Para Beppino Englaro, a sua filha “morreu no dia do acidente”. Em declarações ao La Repubblica, Englaro afirmou que os magistrados “souberam colocar-se no lugar de Eluana” e entender o “seu estado vegetativo irreversível, estado que não existe na natureza, ao passo que a medicina pode levar ao extremo a alimentação forçada e a terapia, mesmo quando estas já não servem para nada”.

Opinião contrária foi expressa pelo subsecretário de Estado do Interior, Alfredo Mantovano, que definiu a decisão do Supremo como “uma forma velada de eutanásia e de homicídio consentido”. A Constituição italiana, ainda que interdite o fim voluntário da vida, concede aos pacientes o direito a recusarem tratamento. A questão é se este quadro legal se aplica ao caso de Eluana.

Também o Vaticano condenou a atitude da justiça italiana. “É uma derrota para Eluana, uma jovem que vive, que respira de maneira autónoma, que desperta e dorme, que tem vida”, afirmou o presidente da Academia Pontifícia para a Vida, Rino Fisichella, à Rádio Vaticano. Por seu lado, o responsável da Pastoral para a Saúde, cardeal Lozano Barragán, equiparou o acórdão do Supremo italiano à condenação de Eluana “a um fim monstruoso”, a um “homicídio, em que a vão deixar morrer de fome e sede”.

Com Patrícia Jesus e agências

http://dn.sapo.pt/2008/11/15/internacional/supremo_italiano_autoriza_morte_mulh.html